Em noite de Natália, Brasil domina a Coreia, vence e segue invicto no Rio

Seleção volta a jogar bem, exorciza derrota de 2012 e bate rivais sem perder sets

Por Josemar 13/08/2016 - 05:21 hs

Há quatro anos, Natália era uma promessa. Em uma seleção de estrelas, vinha sendo preparada para o ciclo seguinte, sem pressa. Naquele dia, uma quarta-feira nublada de agosto em Londres, ela entrou em quadra no primeiro e no terceiro sets, numa tentativa frustrada de Zé Roberto de mudar a situação. Do outro lado, Kim, a principal jogadora da Coreia do Sul, causava estragos à defesa brasileira - e causou até o fim, em uma surpreendente queda do Brasil diante das orientais. Nesta sexta-feira, as duas voltaram a se encontrar em um duelo olímpico. Desta vez, porém, Natália já não é uma promessa. Pelo contrário. Nesta noite, em um Maracanãzinho novamente lotado, fez a diferença. Em mais uma boa partida, a seleção venceu por 3 sets a 0, parciais 25/17, 25/13 e 27/25 (assista aos melhores momentos no vídeo acima).

Foi a quarta vitória brasileira em quatro jogos, sem perder nenhum set no Rio. O Brasil volta à quadra neste domingo, na última partida pela fase de classificação. A seleção encara a Rússia, também invicta no Rio, às 22h35, no Maracanãzinho. As duas equipes definem quem avança às quadras de final como líder do grupo A da competição. A Coreia, por sua vez, fecha a primeira etapa contra Camarões, às 11h35.

Natália vence bloqueio simples Brasil x Coreia vôlei (Foto: PHILIPPE LOPEZ / AFP)Natália deixou o jogo com 16 pontos, seguida por Sheilla, com 12. Kim, a maior estrela do outro lado, não brilhou: fez apenas sete pontos, quatro deles ainda no primeiro set. A ponteira do Brasil, que jogará ao lado da coreana no Fenerbahçe, seu novo clube, comemorou.

- A Kim é uma jogadora que deve ter o respeito de todo o mundo. É uma das melhores do mundo, completa. E eu vou ter a oportunidade de jogar com ela, vou aprender muito. Estou muito feliz. Hoje, não estava muito feliz. Bom para gente, não complicou a nossa vida (risos). Conseguimos tirar ela do jogo. Na Olimpíada passada, eu entrava mais para fazer um bloqueio, não conseguia atacar muito. Hoje, posso ajudar o time em todas as coisas. Fico feliz porque tenho evoluído bastante no fundo de quadra. O ataque, uma hora ou outra, acaba saindo. Mas é uma coisa minha. Fico feliz, acima de tudo, por ajudar o time - disse Natália.

O jogo


A preocupação era óbvia e se confirmou logo de cara. Melhor jogadora da Coreia, Kim abriu a contagem. A seleção empatou, mas sofreu seu primeiro susto na sequência. Dani Lins e Léia tentaram fazer a defesa, mas se chocaram de cabeça. As duas precisaram receber atendimento e preocuparam Zé, mas voltaram à quadra. Na sequência, Kim voltou a mostrar força: marcou os quatro primeiros pontos de seu time e abriu 4/2 no placar.

A seleção se refez. Diante da estrela rival, o Brasil apostava na equipe. Com um saque poderoso (Sheilla e Natália marcaram aces) e uma defesa consistente, a equipe passou à frente no placar. Kim também errava. Em ataque para fora da coreana, as donas da casa abriram 13/10. Fabiana, com mais um belo saque, fez a contagem chegar a 14/10, obrigando as rivais a pedirem tempo.

Àquela altura, o Brasil tinha o controle da partida. Nada parecia tirar a calma das donas da casa. Nem mesmo as reclamações das coreanas, que, ao acharem que a bola havia tocado o chão brasileiro, pararam à espera da marcação que não veio. Sem ser ameaçada, a seleção fechou o set com tranquilidade, em ace de Natália: 25/17.

+ Confira aqui todos os Especiais Olímpicos do GloboEsporte.com
+ Confira todos os resultados da Rio 2016! Clique e escolha a modalidade
+ Veja o quadro de medalhas atualizado
+ O DNA Time Brasil

Foi com um bloqueio espetacular de Natália que o Brasil abriu a contagem. Mas a Coreia ainda tinha fôlego. Sonhava, quem sabe, em voltar a surpreender as brasileiras como fizeram em Londres. Não era assim tão fácil. Ainda se mantiveram coladas no placar por um bom tempo, mas a seleção logo disparou.


Com mais uma boa atuação, o Brasil controlava a partida. Em uma pancada de Fê Garay, o Brasil abriu 17/10, e Zé Roberto mexeu pela primeira vez. O treinador chamou Thaísa, que havia entrado apenas na partida contra o Japão. A torcida se empolgou. As coreanas chegaram a marcar dois pontos em sequência, mas foi só. Sheilla, com dois aces em três pontos, fez o Brasil abrir 21/12. Dali para fechar o set foi um pulo. Em um erro das rivais, fim de papo: 25/13.

No terceiro set, as coreanas insistiram. Kim, auxiliada por Yang, tentava manter seu time vivo no jogo. As orientais conseguiram tomar a dianteira no placar no início. O Brasil chegou ao empate, porém, com Thaísa e Fabiana, marcando em sequência.

O Brasil se manteve soberano. Do outro lado, a Coreia já não conseguia fazer frente à seleção. Zé mandou Jaqueline e Gabi para a quadra. O ritmo seguiu o mesmo por um tempo, mas as rivais ensaiaram uma reação. A vantagem, que chegou a ser de cinco pontos, chegou ao fim. As coreanas passaram à frente (23/22) e pressionaram a seleção. Foi quando brilhou a estrela de Jaque. A ponteira marcou dois pontos seguidos, no bloqueio e no saque. Em um paredão de Natália e Thaísa, a vitória: 27/25.

Confira os outros resultados desta sexta:

China 0 x 3 Sérvia (19/25, 19/25, 22/25) - Grupo B
Argentina 3 x 2 Camarões (19/25, 25/19, 26/28, 25/21, 15/13) - Grupo A
Estados Unidos 3 x 1 Itália (25/22, 25/22, 23/25, 25/20) - Grupo B
Holanda 3 x 0 Porto Rico (25/14, 25/22, 25/16) - Grupo B
Rússia 3 x 0 Japão (25/14, 30/28, 25/18) - Grupo A