Conselho de Ética da Alerj discute cassação de Jorge Picciani, Paulo Melo e Albertassi

Primeira reunião do grupo acontece nesta terça-feira (4). Há uma semana, aliado do trio, André Lazaroni (PMDB), foi eleito presidente do grupo; 70% deles votaram por soltura.

Por Josemar 05/12/2017 - 06:00 hs

O Conselho de Ética da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) discute nesta terça-feira (5) a cassação de Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. O trio está preso em decorrência da Operação Cadeia Velha.

O pedido feito pela oposição pode ser protelado pelo presidente do grupo André Lazaroni (PMDB), eleito na semana passada. Ele diz que há um erro no documento, que deveria ter sido encaminhado à Mesa Diretora da Casa antes de chegar ao Conselho.

Como mostrou o G1 na semana passada, cinco dos sete integrantes do grupo votaram pela soltura dos parlamentares do PMDB (veja abaixo). Na ocasião, a Alerj chegou a emitir um alvará de soltura e, em menos de duas horas, eles foram soltos.

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) disse que a medida foi ilegal e que a Alerj poderia apenas opinar sobre a soltura ou não, mas que a determinação caberia à Justiça. Menos de uma semana depois, os três voltaram a ser presos.

Cassação improvável pode ser determinada após Carnaval

Na semana passada, Lazaroni afirmou que o documento assinado por nove parlamentares da oposição tem um "vício formal" e é "um atropelo que descumpre a ordem do processo legal".

Há chance de que seja adiado, mas de qualquer forma a definição pode demorar. O prazo para a ida ao plenário é de 90 dias, ou seja, após o carnaval.

Veja como votaram os integrantes do Conselho sobre as prisões:

  • André Lazaroni (PMDB) - soltura
  • Rosenverg Reis (PMDB) - soltura
  • Danielle Guerreiro (PMDB) - soltura
  • Carlos Osorio (PSDB) - prisão
  • Comte Bittencourt (PPS) - licenciado (diz que votaria pela prisão)
  • Iranildo Campos (PSD) - soltura
  • Chiquinho da Mangueira (Podemos) - soltura