Trump tenta negociar no Congresso reforma na política de imigração

Na negociação estão 800 mil jovens que, segundo Trump, ficariam nos EUA se ele conseguir dinheiro público para muro na fronteira com o México.

Por Josemar 10/01/2018 - 07:58 hs

Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump reuniu congressistas do governo e da oposição para negociar uma reforma na política de imigração; 800 mil jovens dependem de um acordo para continuar no país.

Donald Trump deixou a metralhadora de lado. Ao invés de criticar a oposição, juntou senadores e deputados dos dois partidos e disse que confia neles. Trump espera deles uma lei sobre imigração.

Em setembro, o governo Trump - que é republicano - anunciou que ia acabar com um programa criado pelo antecessor Barack Obama - um democrata.

Esse programa protege imigrantes que entraram ilegalmente nos Estados Unidos quando eram crianças, trazidos pelos pais. Autoriza esses jovens a trabalhar, mas não abre caminho para a cidadania. Ele termina em março e o governo incumbiu o Congresso de decidir o que fazer com esses 800 mil jovens.

Trump sabe que o programa é importante para a oposição democrata e quer usá-lo como moeda de troca. Ele já indicou que aceitaria manter esses jovens nos EUA desde que os democratas concordassem com uma reforma na imigração.

Nessa reforma, Trump quer incluir dinheiro público para construir o muro na fronteira com o México.

O presidente disse nesta terça-feira (9) que vai assinar a lei que os congressistas aprovarem e defendeu o muro e mais fiscalização nas fronteiras.

Em outra ofensiva contra a imigração, o governo Trump já definiu que vai expulsar dos Estados Unidos perto de 200 mil salvadorenhos que chegaram em 2001, depois de dois grandes terremotos em El Salvador. Eles estão nos EUA graças a um visto humanitário, que é renovado de tempos em tempos. O governo disse que, agora, não vai mais renovar esse visto e que eles vão ter que sair até setembro de 2019.

O anúncio provocou protestos na capital, Washington.

Um ativista afirma: “São imigrantes que estão vivendo dentro da lei, a vida deles é checada na hora de renovar o visto”.

Em 2017, Trump encerrou o visto humanitário de dezenas de milhares de haitianos e nicaraguenses.